Palestra e curso sobre improvisação musical na educação na USP

USPPalestra e curso sobre improvisação musical na educação

Universidade de São Paulo

11 e 12/06

Nos próximos dias 11 e 12/06 a querida Violeta estará na USP – Universidade de São Paulo para realizar uma palestra e um curso sobre improvisação musical na educação.

Os eventos foram possíveis graças ao apoio do Programa de Pós-Graduação em Musicologia da ECA-USP e do Fladem Brasil, que com esse importante evento segue fortalecendo sua ação.

Os eventos serão gratuitos para alunos da Universidade e para os sócios do FLADEM e desta forma, o contato com o importante trabalho da Violeta está se abrindo para mais pessoas. Já estamos praticamente com as vagas esgotadas (mais de 80 para cada evento) e só não teremos mais gente porque infelizmente não conseguimos lugares maiores para receber um número maior de pessoas.

Entrevista a Violeta de Gainza

VioletaEntrevista realizada durante el Seminario Iberoamericano de Educaçao Musical en Inclusão Social.
São Paulo, Brasil. 10 de noviembre de 2009.

Na manhã desta terça-feira, o Seminário Ibero-Americano de Educação Musical e Inclusão Social teve início com a participação de Violeta Gainza, que discursou sobre o tema “Panorama da Educação Musical na América Latina”. Consciente da amplitude da abordagem, Gainza levantou alguns pontos em comum aos países latino-americanos. Se por um lado, o bloco vive uma crise nos sistemas educativos, que veio acompanhada de outras crises sociais e econômicas nos anos 90, por outro, a professora de música ressaltou o grande nível de expressão e vida presente na população da América Latina, capaz de promover mudanças efetivas no cenário da educação musical.

Como a música e o ensino musical podem contribuir para que a sociedade latino-americana saia da atual crise em que se encontra?

A música é um direito do ser humano. Ela nos dá energia e alimento e permite a comunicação entre as pessoas, atuando como elo da sociedade. E este poder que a música exerce sobre as pessoas, como indivíduo, como grupo e como agente de comunicação, possibilita uma real inclusão social. A música, que antes de ser arte é linguagem, facilita este laço de união entre as pessoas. Todos precisam de música, da sua música.

Que mudanças são necessárias no atual cenário da educação musical na América Latina?

É necessário que se volte a pensar na educação musical, já que nos últimos tempos ela foi pensada de maneira equivocada. Precisamos superar uma visão colonialista da educação e assumir maior autonomia sobre nossos métodos, formando comunidades de educadores críticos que reflitam sobre a música e a educação. As instituições ligadas à educação deixam muito a desejar: a prática e a teoria não caminham juntas, não estão integradas. Enfatizam-se dogmas, conceitos, mas não se desenvolve o sentido crítico do ser humano; não é uma época de liberdade de pensamento. Temos que reconquistar a liberdade no campo da educação.

Panorama da educação musical na América Latina

guriVioleta de Gainza dictará una palestra denominada Panorama da educação musical na América Latina, en el Seminario Iberoamericano de Educaçao Musical en Inclusao Social.
Sao Paulo, Brasil. 9 al 13 de noviembre de 2009

El seminario está organizado por el “PROGRAMA GURI SANTA MARCELINA” y tendrá lugar en Sesc Consolaçao, Rua Dr. Vila Nova, 245
Producción   “SANTA MARCELINA CULTURA

El Programa Guri Santa Marcelina es un programa que trabaja con niños y adolescentes de la periferia de la ciudad de Sao Paulo con un alto índice de vulnerabilidad social desde el año pasado, conjuntamente con el gobierno del Estado de Sao Paulo y la Organización Social de Cultura Santa Marcelina. Casi 7 mil alumnos matriculados reciben clases diarias de música con un apoyo cotidiano de asistentes sociales para el alumno y su familia. Cada escuela cuenta con un equipo permanente de profesores, asistente social, pedagogo, practicante y agente de apoyo (preparador de clases, materiales e instrumentos). Esta estructura permitió obtener en un tiempo reducido resultados positivos a nivel nacional. Nuestros profesores -alrededor de 200- son todos jóvenes y carecen de una formación pedagógica profunda, por lo cual se invtierte continuamente en cursos de capacitación y formación, tanto en el área social como en la musical.

Ver Programa

Educaçao Musical na visão de uma Especialista

Revista No TomRevista No Tom. Revista da CAEM, Central de Apoio às Escolas de Música. São Paulo, junio 2009.

por Valéria Forte e Vanessa Coelho

Violeta Hemsy de Gainza é uma unanimidade no meio eduacional. Há cuase 50 anos a musicista argentina constribui para o aprimoramento do ensino de Música em toda América Latina, priorizando o estímulo criatividade e atençao especial às particularidades de cada estudante. Seus estudos de Pedagogia  contribuíram para a transformaçao das relaçoes dentro das salas de aula atrevés da ênfase na integraçao entre professor e aprendiz, ocupando o espaço do modelo tradicional no qual o docente se limitava a passar o conteúdo sistematicamente e o estudo prático era limitado à repetiçao exaustiva de obras clássicas. Sua obra incluiais de 40 títulos dedicados ao estudo de  Música em geral, prática de instrumentos como piano e violão, e improvisação e já foi traduzida para idiomas como inglês, alemaõ e francês. É membro honorário do ISME (International Society for Music Education) e edita o anuário dessa instituição. Já foi presidente e atualmente é membro consultor da Associação Argentina de Musicoterapia e também é presidente honorária do FLADEM (Fórum Latino Americano de Educação Musical).

A Revista No Tom conversou com Violeta, que tem ministrado cursos, seminários e conferências em seu país e ao redor do mundo e em agosto será uma das palestrantes do 5 to Encontro Nacional de Escolas de Música, a ser realizado em São Paulo.

Confiram o resultado!

pdfDescargar Entrevista en PDF

Secciones Nacionales

La Secretaría General de la institución, que durante los cuatro primeros años a partir de la fundación tuviera su sede en la Comisión Costarricense de la UNESCO (San José de Costa Rica), pasó a establecerse luego en el Conservatorio Nacional de Música de Puerto Rico y desde 2001 radica en la Ciudad de Buenos Aires, Argentina. A doce años de la creación del FLADEM se encuentran funcionando hasta el momento secretarías nacionales de la institución (la mayoría con sus respectivas personerías jurídicas) en los siguientes países: Argentina, Brasil, Colombia, Costa Rica, Chile, Ecuador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicaragua, Perú, Puerto Rico.

Filiales

En varios países, ya sea por su amplitud territorial o por la cantidad de asociados, se han constituido filiales locales, en ciudades o regiones, que centralizan la actividad de Fladem en dichos lugares, organizando sus propios eventos, en acuerdo a los estatutos nacionales y los principios de FLADEM. Dichas filiales poseen una organización con juntas o comisiones directivas, encargados y comisiones de trabajo.

Guatemala:

  1. Chimaltenango.
  2. Salamá, Baja Verapaz.
  3. Cobán, Alta Verapaz.
  4. Retalhuleu.
  5. Antigua Guatemala.
  6. San Agustin Acasagustlan, El Progreso.
  7. Chiquimula.

Argentina

  1. Almafuerte (Provincia de Córdoba)
  2. Bariloche (Prov. de Río Negro)
  3. Chascomús (Prov. de Buenos Aires)
  4. Comodoro Rivadavia (Provincia de Chubut)
  5. Córdoba (Capital)
  6. Esquel (Provincia de Chubut)
  7. Exaltación de la Cruz (Prov. de Buenos Aires)
  8. Formosa (Provincia de Formosa)
  9. Jujuy
  10. La Plata (Prov. de Buenos Aires)
  11. Luján (Prov. de Buenos Aires)
  12. Mar del Plata (Prov. de Buenos Aires)
  13. Neuquén
  14. Paso de los Libres(Prov. de Corrientes)
  15. Rosario (Prov. de Santa Fe)
  16. Santa Fe (Provincia de Santa Fe)
  17. Santiago del Estero
  18. Tucumán
  19. Villa María (Provincia de Córdoba)
  20. Villa Regina (Prov. de Rio Negro)

Colombia

  1. Tunja (Cundinamarca y Boyacá)
  2. Pamplona (Santander del Norte y Santander del Sur)
  3. Medellín (Antioquia y Eje Cafetero)
  4. Cali (Valle y Cauca)
  5. Ibagué (Tolima y Huila).

5º Encontro Nacional Das Escolas de Música

logo5encontroDias 1 e 2 de agosto de 2009

Local: UNIP- unidade Paraíso Sao Paulo

R. Vergueiro, 1211

Horário: 9 as 17 h

CONHEÇA UM POUCO DE NOSSOS PALESTRANTES E SEUS TEMAS!

VIOLETA DE GAINZA
“A PSICOPEDAGOGIA MUSICAL E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES A PARTIR DE UMA VISÃO ATUAL”
Há quase 50 anos Violeta Hemsy de Gainza contribui para o aprimoramento do ensino de música em toda a América Latina priorizando o estímulo à criatividade e atenção especial às particularidades de cada estudante. Sua obra inclui mais de 40 títulos dedicados ao estudo de música em geral, prática de instrumentos como piano e violão e improvisação e já foi traduzida para idiomas como inglês, alemão e francês. É membro honorário do ISME (International Society for Music Education) e edita o anuário dessa instituição. Já foi presidente e atualmente é membro consultor da Associação Argentina de Musicoterapia. Também é presidente honorária do FLADEM (Fórum Latino Americano de Educação Musical).

YUMI KANEKO
“A SAÚDE DO MÚSICO”

– Músico x lesão: frequência e tipos de lesão
– Princípios de abordagem médica dos músicos profissionais
– O que os professores devem saber sobre a saúde do seu aluno
Médica Fisiatra formada pela Santa Casa de SP, Mestre em Medicina pela Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de SP, Médica coordenadora da Unidade de Reabilitação do Hospital Geral de Pirajussara, Médica Fisiatra do Centro de Reabilitação do SESI.

Continuar Leyendo     »